Notícias

Estou no momento em: Skip Navigation LinksInício > Índice de Notícias > Notícia

Cientistas de SP estão desenvolvendo vacina contra novo coronavírus

16/03/2020

Pesquisadores do Laboratório de Imunologia do Instituto do Coração (Incor) da Faculdade de Medicina (FM) da Universidade de São Paulo (USP) estão desenvolvendo uma vacina contra o coronavírus da síndrome respiratória aguda grave, o Sars-CoV-2.

Por meio de uma estratégia diferente das adotadas por indústrias farmacêuticas e grupos de pesquisa em diversos países, os cientistas brasileiros esperam acelerar o desenvolvimento e conseguir chegar, nos próximos meses, a uma candidata a vacina contra o novo coronavírus que possa ser testada em animais.

“Acreditamos que a estratégia que estamos empregando para participar desse esforço mundial para desenvolver uma candidata a vacina contra a COVID-19 é muito promissora e poderá induzir uma resposta imunológica melhor do que a de outras propostas que têm surgido, baseadas fundamentalmente em vacinas de mRNA”, salientou à Agência Fapesp Jorge Kalil, diretor do Laboratório de Imunologia do Incor e coordenador do projeto, apoiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

Metodologia

Utilizada no desenvolvimento da primeira vacina experimental contra o Sars-CoV-2, anunciada no fim de fevereiro nos Estados Unidos, a plataforma tecnológica de mRNA se baseia na inserção na vacina de moléculas sintéticas de RNA mensageiro (mRNA) – que contêm as instruções para produção de alguma proteína reconhecível pelo sistema imunológico.

A ideia é que o sistema imunológico reconheça essas proteínas artificiais para posteriormente identificar e combater o coronavírus real. Já a plataforma que será utilizada pelos pesquisadores do Incor é fundamentada no uso de partículas semelhantes a vírus (VLPs, na sigla em inglês de virus like particles).

Estruturas multiproteicas, as VLPs possuem características semelhantes às de um vírus e, por isso, são facilmente reconhecidas pelas células do sistema imune. Porém, não têm material genético do vírus, o que impossibilita a replicação. Por isso, são seguras para o desenvolvimento de vacinas.

“Em geral, as vacinas tradicionais, baseadas em vírus atenuados ou inativados, como a do influenza [causador da gripe], têm demonstrado excelente imunogenicidade, e o conhecimento das características delas serve de parâmetro para o desenvolvimento bem-sucedido de novas plataformas vacinais”, afirmou Gustavo Cabral, pesquisador responsável pelo projeto, à Agência Fapesp.

“Mas, neste momento, em que estamos lidando com um vírus pouco conhecido, por questões de segurança é preciso evitar inserir material genético no corpo humano para evitar eventos adversos, como multiplicação viral e possivelmente reversão genética da virulência. Por isso, as formas alternativas para o desenvolvimento da vacina anti-COVID-19 devem priorizar, além da eficiência, a segurança”, acrescentou Cabral.

Sistema imunológico

Para permitir que sejam reconhecidas pelo sistema imunológico e gerem uma resposta contra o coronavírus, as VLPs são inoculadas juntamente com antígenos – substâncias que, ao serem introduzidas no corpo humano fazem com que o sistema imune produza anticorpos.

Dessa forma, é possível unir as características de adjuvante dos VLPs com a especificidade do antígeno. Além disso, as VLPs, por serem componentes biológicos naturais e seguros, são facilmente degradadas, explicou Cabral.

“Com essa estratégia é possível direcionar o sistema imunológico para reconhecer as VLPs conjugadas a antígenos como uma ameaça e desencadear a resposta imune de forma eficaz e segura”, disse.

Plataforma de antígenos

O pesquisador Gustavo Cabral fez nos últimos cinco anos pós-doutorados nas universidades de Oxford, na Inglaterra, e de Berna, na Suíça, onde desenvolveu candidatas a vacinas utilizando VLPs contra doenças, como a causada pelo vírus zika.

Por meio de um projeto apoiado pela Fapesp, o cientista retornou ao Brasil e iniciou no laboratório de imunologia do Incor, no começo de fevereiro, um estudo voltado a desenvolver vacinas contra Streptococcus pyogenes – causador da febre reumática e da cardiopatia reumática crônica – e chikungunya, utilizando VLPs.

Com a pandemia do COVID-19, o projeto foi redirecionado para desenvolver uma vacina contra o novo coronavírus. “O objetivo é desenvolver uma plataforma de entrega de antígenos para células do sistema imune de forma extremamente fácil e rápida e que possa servir para desenvolver vacina não só contra a COVID-19, mas também para outras doenças emergentes”, ressaltou Cabral.

Os antígenos do novo coronavírus estão sendo produzidos a partir da identificação de regiões da estrutura do vírus que interagem com as células e permitem a entrada dele, as chamadas proteínas spike.

Essas proteínas, que são protuberâncias pontiagudas ao redor do envelope viral, resultam um formato de coroa que conferiu o nome corona a esse grupo de vírus. Após a identificação dessas proteínas spike, são extraídos fragmentos delas que são conjugadas às VLPs.

Por meio de testes com o plasma sanguíneo de pacientes infectados pelo novo coronavírus, é possível verificar quais fragmentos induzem uma resposta protetora e, dessa forma, servem como potenciais candidatos a antígenos. “Já estamos sintetizando esses antígenos e vamos testá-los em soro de pacientes infectados”, afirmou Cabral.

Testes

Depois da realização dos testes em camundongos e comprovada a eficácia da vacina, os pesquisadores pretendem estabelecer colaborações com outras instituições de pesquisa para acelerar o desenvolvimento.

“Após comprovarmos que a vacina neutraliza o vírus, vamos procurar associações no Brasil e no exterior para encurtarmos o caminho e desenvolver o mais rápido possível uma candidata a vacina contra a COVID-19”, disse Kalil.

O pesquisador é coordenador do Instituto de Investigação em Imunologia, sediado no Incor – um dos Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCTs) apoiados pela Fapesp e pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) no Estado de São Paulo.

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Órgãos públicos oferecem serviços pela internet; veja exemplos

Modalidade é alternativa neste momento para evitar aglomerações, atendendo a recomendações para prevenção ao novo coronavírus

Serviços públicos do Estado de São Paulo e do governo federal oferecem serviços pela internet ou por aplicativo de celular gratuitamente aos cidadãos. Alternativas como essa são importantes neste momento, em que autoridades de saúde recomendam evitar aglomerações como uma das formas de combate à proliferação do novo coronavírus.

Em razão da forma de contágio (por contato com secreções, como saliva, tosse ou espirro), evitar aglomerações é uma ação importante para evitar o avanço de casos de Covid-19, nome da doença provocada pelo novo coronavírus. No caso de idosos acima de 60 anos, grupo mais vulnerável a esse tipo de vírus, a recomendação é evitar sair de casa se não houver necessidade.

Abaixo veja exemplos de serviços que podem ser feitos pela internet ou por aplicativos de celular.

Poupatempo

O Poupatempo oferece opções de serviços online e serviços pelo aplicativo. Basta estar cadastrado no site www.poupatempo.sp.gov.br. São cerca de 50 serviços de utilidade pública disponibilizados no site, por exemplo:

– licenciamento do seu veículo

– consulta de débitos do automóvel

– emissão da Carteira de Trabalho Digital

– solicitação de seguro desemprego

– emissão da 2ª via da CNH

– emissão de 2ª via de boleto e carnês da CDHU

– emissão de antecedentes criminais

– solicitação de boletim escolar e declaração de matrícula

Sabesp

Por meio dos canais digitais, é possível realizar uma série de solicitações e consultas, como solicitar envio de 2ª via pelo correio, imprimir 2ª via e fazer parcelamento de débitos. É possível pedir reparos, ligações de água ou esgoto, substituição de cavalete ou hidrômetro, informar ocorrências, como vazamentos na rede de água, entre outros.

Os canais de atendimento da Sabesp:

– Agência Virtual: No site www.sabesp.com.br.

– App Sabesp Mobile: Disponível nas plataformas iOS e Android, permite ainda o envio de fotos da ocorrência junto com a solicitação.

– Central de Atendimento: 0800 011 9911, para a região metropolitana; e 0800 055 0195, para interior e litoral. O atendimento é gratuito e 24 horas.

Cetesb

A Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) apresenta um canal digital que Simplifica o agendamento online para atendimento nas agências, por meio do site www.cetesb.sp.gov.br. Além disso, o portal apresenta orientações aos usuários sobre:

– Licenciamento ambiental

– Licença prévia ou licença prévia e de instalação concomitantes

– Renovação de licença de operação

– Declaração anual de resíduos sólidos

– Multas

– Parcelamento de multas

– Segunda via de boletos de acordo de parcelamento

Procon-SP

Os canais digitais da Fundação Procon-SP contam com uma série de informações e orientações aos internautas, pelo aplicativo e site www.procon.sp.gov.br, como:

– Faça sua reclamação

– Denúncias de maus-tratos a animais

– Bloqueio do recebimento de ligações de telemarketing

– Relação das empresas mais reclamadas no órgão estadual

– Perguntas e respostas sobre direitos do consumidor

– Código de Defesa do Consumidor

– Lista “Evite esses sites”

Justiça Eleitoral

Sites do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e do TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo) reúnem informações importantes e por ali é possível buscar dados, sem a necessidade de sair de casa. O atendimento presencial está suspenso até 31 de março nos cartórios eleitorais e postos de atendimento localizados no Poupatempo.

Eleitores que, em casos excepcionais, necessitarem de atendimento devem fazer contato por telefone com o seu cartório eleitoral para esclarecimentos e eventual agendamento. A Secretaria do TRE-SP e os cartórios eleitorais funcionarão com força de trabalho e horário reduzidos, das 12h às 16h. É possível também esclarecer dúvidas com os cartórios por telefone, de segunda a sexta-feira das 12h às 18h.

Pela internet, é possível:

– emitir e validar certidões de quitação eleitoral, de crimes eleitorais, de filiação partidária, negativa de alistamento e de composição partidária

– consultar número do título eleitoral, local de votação e situação eleitoral

– emitir boleto para quitação de multas

Secretaria da Habitação
Rua Boa Vista, 170 - 10º, 12º, 14º ao 16º andares - São Paulo - SP - CEP: 01014-930 - Tel: (11) 3638-5100
Horário de Atendimento: das 9 às 18 horas